28 jul 2015

Virada Cultural 2015

Andei um pouco sumida devido a muitos compromissos que ao longo da semana conto tudinho aqui no blog e por isso os posts sumiram junto.

Uma das minhas felicidades durante esse período, foi dar aquela escapada básica da minha rotina para curtir aquilo que de fato mais amo em Sampa, essa multiplicidade cultural que só quem está por aqui durante a Virada Cultural pode entender e sentir.

A Virada Cultural de São Paulo, abraça toda a cidade, idades, gostos e tribos trazendo 24 horas de amor por onde estaciona.
Confesso que nada do que eu programei deu certo, quem eu queria encontrar não consegui, quem eu não esperava abracei e ao som de quem eu amava cantei. Ahhhh não preciso negar que morro de amores pelo Nando Reis!!!

Para encontrar alguns amigos, acabei batendo ponto no palco Júlio Prestes e como colei na grade acabei não encontrando quase ninguém rsrs. A parte chata da Virada Cultural desse ano foi a Lei de Murphy que colocou todos os shows que eu queria ver no mesmo horário, como eu queria ter visto Sidney Magal, Ana Cañas e Bruna Caram <3
Mas não é apenas de atrações musicais que viveu a Virada Cultural, intervenções artísticas, dança, teatro, museus abertos durante a madrugada toda, saraus e gastronomia também fizeram parte dessa explosão de amor.

Embora eu morra de amores pelo Nando, tenha me apaixonado pelo Carbono de Lenine, o Monobloco e a Daniela Mercury tenham feito da minha noite mais alegre e agitada, Emicida foi de longe O Melhor Show que assisti durante a virada e olha que já vi muitas apresentações dele por ai, mas nada comparado ao ultimo.

Eis um pouquinho do que eu vivi nessa Virada    11755771_1159752117375380_4205361989856799588_n11224580_1159751807375411_7038585099973061504_nDSC00347DSC00370DSC00380DSC00470DSC00507DSC00552 DSC00548

Deixe seu comentário